Porque é que a inteligência emocional é tão importante para os líderes? 5 Passos para a poder potenciar

Porque é que a inteligência emocional é tão importante para os líderes? 5 Passos para a poder potenciar

Porque é que a inteligência emocional é tão importante para os líderes e como é que a pode melhorar? Em que é que pensa, quando pensa num “líder perfeito”?

Bruna Martinuzzi, fundadora da Clarion Enterprises, diz-nos que “se calhar imagina alguém que nunca perde o controlo, independentemente dos problemas que enfrenta, ou se calhar pensa em alguém que confia totalmente na sua equipa, que fala sempre gentilmente, que ouve a sua equipa, alguém com quem é fácil falar e que toma decisões cuidadas e calculadas."

Segundo esta, estas caraterísticas são de alguém com elevados níveis de inteligência emocional.

Confira aqui qual o seu nível de Inteligência Emocional

Mas o que é a exatamente a inteligência emocional?

Martinuzzi diz-nos que a inteligência emocional (IE) é a capacidade para entender e gerir as suas emoções e as dos que o rodeiam. “Pessoas com elevados níveis de inteligência emocional geralmente sabem o que estão a sentir, o que isso significa e como as suas emoções podem afetar os outros. “

Para os líderes, ter inteligência emocional é essencial para se ser bem-sucedido. Quem é que será mais bem-sucedido? Um líder que grita com a sua equipa por estar muito stressado ou um líder que se consegue controlar e calmamente avalia a situação?

Quanto mais áreas da IE conseguir gerir enquanto líder, maiores serão os seus níveis de inteligência emocional. 


A Inteligência Emocional na Liderança e como pode potenciá-la:

1. Autoconhecimento

Martinuzzi diz-nos que, se se conhecer a si mesmo, sabe sempre como se sente e como é que as suas emoções e ações podem afetar os que o rodeiam. “Ter autoconhecimento quando está numa posição de liderança significa também ter uma visão clara dos seus pontos fortes e fracos e ser humilde.”

O que pode fazer para melhorar o seu autoconhecimento?

Martinuzzi aconselha-o a ter um diário. “Os diários ajudam a melhorar o autoconhecimento. Se reservar um pouco do seu dia para escrever alguns pensamentos, isso poderá levá-lo a um nível mais elevado de autoconhecimento.

Acalme-se. “Quando estiver a experienciar momentos de frustração ou outras emoções fortes, acalme-se e veja porque é que isso está a acontecer. Lembre-se que pode sempre escolher como reagir a determinada situação."

2. Autocontrolo

Acerca do autocontrolo, Martinuzzi refere que “os líderes que se conseguem controlar eficazmente, raramente atacam os outros verbalmente, tomam decisões apressadas ou emocionais, estereotipam as pessoas ou comprometem os seus valores. O autocontrolo tem tudo a ver com estar sempre controlado.

Este elemento de inteligência emocional, segundo Goleman, também está relacionado com a flexibilidade de um líder e o seu compromisso para com a responsabilidade pessoal. “

Como pode melhorar as suas capacidades ao nível do controlo emocional?

Martinuzzi aconselha-o a que saiba quais são os seus valores. “Tem ideia de onde não estaria disposto a comprometer-se? Sabe quais são os valores que mais importantes para si? Gaste um pouco de tempo a rever o seu “código de ética”. Se souber o que é importante para si, não terá que pensar duas vezes quando for confrontado com uma decisão moral ou ética, pois irá tomar logo a decisão correta.”

Responsabilize-se. “Se tem a tendência para culpar os outros quando algo corre mal, pare. Assuma os seus erros e enfrente as consequências, sejam elas quais forem. Talvez durma melhor de noite e consiga ter o respeito dos que o rodeiam.”

Pratique o acalmar-se. “Da próxima vez que estiver numa situação desafiante, tenha consciência de como atua. Liberta o stresse a gritar com os outros? Porque é  que não respira fundo para se acalmar? Pode também escrever numa folha todas as coisas negativas que quer dizer e depois rasgá-la e atirá-la fora. Expressar as suas emoções no papel, e não mostrar a ninguém, é melhor do que gritar com a sua equipa. Para além disso, desafia as suas reações a serem justas.”

3. Motivação

Segundo Martinuzzi, líderes automotivados trabalham constantemente em direção às metas e têm elevados níveis de qualidade para o seu trabalho.

Como pode aumentar a sua motivação?

Martinuzzi diz para rever porque está a fazer isto. “É fácil esquecermo-nos do que realmente gostamos na nossa carreira. Portanto tente lembrar-se porque é que queria esse emprego. Se se sente infeliz com o seu papel ou não se consegue lembrar porque é que queria o emprego, experimente a técnica dos 5 porquês, para tentar descobrir a raiz do problema. Ver como o problema começou, geralmente ajuda-o a olhar para a situação de outra maneira. Certifique-se também de que as suas metas são novas e enérgicas.”

Saiba em que posição está. “Determine o quão motivado está para liderar.”

Tenha esperança e encontre sempre o lado positivo. “Os líderes motivados são, por norma, otimistas, independentemente da situação que enfrentam. Adotar este estilo de vida nem sempre é fácil, mas vale bem a pena. Sempre que tem algum desafio ou tenha falhado em alguma situação, tente encontrar algum aspeto positivo nessa situação. Poderá ser algo muito pequeno, como por exemplo algum contato, ou algo que tenha efeitos de longa duração, como por exemplo alguma lição que tenha aprendido. Haverá quase sempre algo positivo, basta procurá-lo.”

4. Empatia

Martinuzzi refere que “para os líderes, ter empatia é crucial para gerir qualquer equipa ou organização com sucesso. Os líderes empáticos têm a capacidade de se colocarem no lugar do outro, ajudam a desenvolver as pessoas na sua equipa, desafiam os outros quando estes não agem de uma forma justa, dão feedback construtivo e ouvem aqueles que necessitam de ser ouvidos. 

Se quer ganhar o respeito e a lealdade da sua equipa, mostre-lhes que se importa, ao ser empático.”

Como pode melhorar a sua empatia?

Martinuzzi aconselha a que se ponha no lugar do outro. “É fácil defender o seu ponto de vista. Afinal de contas, é o seu ponto de vista! No entanto, deve olhar para as situações nas perspetivas dos outros.”

Tenha cuidado com a linguagem. “Provavelmente, quando está a ouvir alguém, cruza os braços, anda para trás e para a frente ou morde os lábios. Esta linguagem corporal mostra aos outros como se está a sentir naquele momento e a mensagem que está a transmitir não é positiva. Aprender sobre comunicação corporal poderá vir a ser um trunfo quando está numa posição de liderança, porque conseguirá determinar como alguém realmente se sente e isto dar-lhe-á a oportunidade de responder de forma apropriada.”

Reaja aos sentimentos. “Pede ao seu assistente para trabalhar até mais tarde mais uma vez. Embora ele aceite, consegue ouvir o descontentamento na sua voz, portanto reaja aos seus sentimentos. Diga-lhe que agradece o facto de trabalhar horas extras e que se sente igualmente frustrado por ter que trabalhar até tarde. Tente, se possível, arranjar uma forma de o trabalhar até tarde deixar de ser um problema (por exemplo, manhãs de segunda-feira livres). 

5. Competências Sociais

Martinuzzi diz-nos que os líderes que são bem-sucedidos neste elemento da inteligência emocional são muito bons a comunicar. “Estão abertos tanto para as boas como para as más notícias e são especialistas em conseguir que a sua equipa o defenda ou que fiquem contentes com uma nova missão ou projeto.”

Segundo esta, os líderes que têm boas competências sociais são também bons a gerir a mudança e a resolver conflitos diplomaticamente. “Raramente estão satisfeitos a deixar as coisas como estão, mas também não estão dispostos a fazer todos trabalharem para alterar isso. Estabelecem o exemplo com os seus próprios comportamentos.”

Como pode melhorar a liderança ao criar competências sociais?

Martinuzzi sugere que aprenda a resolver conflitos. “Os líderes devem saber como resolver conflitos entre membros da sua equipa, clientes ou vendedores. Aprender diferentes competências para a resolução do conflito é extremamente importante se quer ser bem-sucedido.”

Melhore as suas competências de comunicação. 

Aprenda a elogiar os outros. “Como líder consegue inspirar a lealdade da sua equipa ao dar elogios quando estes são merecidos. Aprender a dar elogios eficazmente é uma arte que vale bem a pena dominar.”

Aspetos chave

Graças aos vários desafios e oportunidades que surgem quando trabalha com outros, Martinuzzi diz-nos que os líderes deverão ter um entendimento profundo de como as suas emoções e ações vão afetar os que o rodeiam. “Quanto melhor o líder se relacionar e trabalhar com outros, maior será o seu sucesso.

Assim, por que não arranjar tempo para trabalhar em aspetos como o autoconhecimento, o autocontrolo, a motivação, a empatia e as competências sociais? Estes farão com que seja excelente no futuro.

Fonte: MindTools

Bruna MartinuzziBruna Martinuzzi é a fundador da Clarion Enterprises Ltd., uma empresa especializada na formação em liderança e competências de apresentação. Tem ajudado centenas de pessoas a tornarem-se melhores líderes e comunicadores mais eficazes. Martinuzzi  é oradora em muitos eventos, como nas conferências de liderança da MICROSOFT EXPO, nos EUA, na China e na Europa; nos Fóruns de Liderança da TELUS; e em conferências anuais de diversos. Martinuzzi leciona em diversas universidades, como no programa de MBA da Universidade de Simon Fraser e na Faculdade de Negócios de Sauder, na Universidade da Colômbia Britânica.