São 10 as competências-chave para ser um líder eficaz: quantas domina?

São 10 as competências-chave para ser um líder eficaz: quantas domina?

Ser um líder eficaz significa dominar competências em cinco áreas-chave, de acordo com um novo estudo.

Quais as características necessárias para ser um líder eficaz? Foi com base nesta questão que Sunnie Giles, cientista organizacional, coach de executivos e consultora de desenvolvimento de liderança levou a cabo um estudo que envolveu 195 líderes de 30 organizações em 15 países. Foi pedido aos participantes que identificassem as 15 competências de liderança mais importantes de uma lista de 74. O top 10 foi agrupado em cinco temas principais e que são aqueles a que todos os líderes devem aspirar alcançar.
As cinco áreas apresentam desafios significativos para os líderes devido às respostas naturais que estão programadas em nós”, observa a investigadora. E acrescenta que, com “autorreflexão profunda e uma mudança de perspetiva (talvez com o apoio de um coach)... há enormes oportunidades para melhorar o desempenho de todos ao concentrar-se no próprio desempenho”. Segue-se a explanação das cinco áreas:

Tem forte ética e proporciona sensação de segurança
“Tem altos padrões éticos e morais” e “comunica claramente as expectativas”, são as primeira e terceira qualidades mais importantes apontadas pelos líderes inquiridos. Juntos, estes atributos dizem respeito a ter um compromisso com o que é justo, comunicando de forma clara as expectativas aos funcionários, enquanto cria um ambiente onde as pessoas conseguem relaxar.

Capacita os outros a se auto-organizarem
Este área envolve o “fornecer de metas e objetivos com diretrizes/direção soltas”, qualidade considerada a segunda mais importante pelos líderes. Assegurar que os trabalhadores são conduzidos de forma clara e que podem organizar o próprio tempo e trabalho ajuda-os a sentir-se mais capacitados. Estudos demonstram que as equipas capacitadas pelo líder e com margem de manobra são mais produtivas e pró-ativas. Os líderes precisam de “superar o medo de abrir mão do poder” e permitir que outros assumam responsabilidade e cometam os próprios erros. 

Promove um sentimento de ligação e pertença
Comunicar com “frequência e abertamente” e criar uma “sensação de êxito e de falhar em conjunto” são identificadas como qualidades importantes que um líder deve ter. Sunnie Giles observa que “assim que nos sentimos seguros (sensação que está registada no cérebro reptiliano), também temos de nos sentir cuidados (o que ativa o cérebro límbico), a fim de libertarmos o potencial do córtex pré-frontal”. A pesquisa sugere que as relações positivas no local de trabalho podem melhorar a produtividade e bem-estar emocional

Está recetivo a novas ideias e incentiva a aprendizagem
Incentivar a aprendizagem e acolher novas ideias é um ponto fundamental para os líderes, identificado nestas três competências: tem a flexibilidade para mudar de opinião, está aberto a novas ideias e abordagens, e fornece segurança para a tentativa e erro. “No sentido de incentivar a aprendizagem entre os funcionários, os líderes devem primeiro garantir que eles próprios estão recetivos a aprender (e mudar de rumo)”. Proporcionar um ambiente seguro para o fracasso incentiva os funcionários a assumir riscos e a sentirem-se confiantes para apresentar ideias.

Nutre o crescimento
A última área identificada pelo estudo tem a ver com os líderes alimentarem o crescimento. “Estar empenhado na formação contínua” foi votada a quinta qualidade mais importante. Os líderes que assumem um compromisso com o crescimento dos seus funcionários são recompensados, dado que os colaboradores ficam motivados para retribuir e expressam a gratidão e lealdade através do compromisso e trabalho árduo. Este empenho no crescimento também é necessário para ajudar os trabalhadores a “crescer para o líder da próxima geração”. Se “quer inspirar o melhor na sua equipa, advogue por eles, apoie a sua formação e promoção, e patrocine os seus projetos importantes”.


09-01-2017


Portal da Liderança

Nota: Artigo adaptado de um texto produzido por Emma Luxton, content producer na Formative Content, para a Global Agenda, Fórum Económico Mundial.