Meg Whitman, CEO da HP: 4 Passos para dominar a transparência na comunicação com sucesso

Meg Whitman, CEO da HP: 4 Passos para dominar a transparência na comunicação com sucesso

A Hewlett-Packard acaba de anunciar ganhos um pouco acima do previsto por Wall Street, avançando um lucro líquido de 2 biliões de dólares neste quarto trimestre e 29,1 biliões de vendas.

Meg Whitman, CEO da HP, que implementou e tem vindo a dinamizar um intenso processo de mudança na organização, enfrenta corajosamente a luta por inverter a tendência dos consumidores pela tecnologia portátil.

Para Meg Whitman, que lidera desde 2011 a HP, a transparência na comunicação é fundamental e de extrema importância.

“Como parte do meu objetivo de partilhar regularmente as atualizações e as perceções da mudança da HP, uma área em que me queria focar, em particular, é a importância de uma comunicação aberta e transparente”, refere no seu LinkedIn.

Para esta, “uma comunicação pobre não só prejudica a colaboração e a execução dentro da empresa, como também se expressa para o exterior, desde as vendas até aos serviços ao consumidor e ao relacionamento da organização com os seus parceiros”.

Whitman sabe do que fala. Um político que não domine a arte da comunicação e inspire confiança nos outros nunca chegará ao topo nem alcançará o sucesso.

Whitman já percorreu os meandros da política. Em 2009 anunciou a sua candidatura ao governo da Califórnia, EUA, tendo ganho as primárias republicanas em 2010 e sido posteriormente apontada pelo partido para o cargo de governadora.

“Melhorar a forma como comunicamos e trabalhar juntos tem sido uma das minhas prioridades desde que me juntei a HP”, confessa Whitman.

A CEO da HP aponta quatro “mudanças que ajudaram a motivar a nossa organização e são relevantes para qualquer empresa em funcionamento”.

  • Comece por coisas pequenas

“Quando cheguei à HP, encontrei uma empresa dividida. Estas divisões eram feitas por geografias e grupos de negócio, mas era especialmente prevalente entre a gestão e os funcionários.

Nada simbolizava mais esta desconexão do que os nossos executivos e aquilo a que chamo de “vedação do comando”, uma enorme vedação equipada com arame farpado à volta do estacionamento do executivo. Os escritórios com as suas paredes e a vedação de estilo militar representam o quão longe a HP estava da cultura dos fundadores da empresa.

Uma das primeiras coisas que fiz foi destruir a vedação e mudar todos os nossos executivos para espaços semelhantes aos utilizados pelos funcionários. Agora todos entramos pela mesma porta. Isto era símbolo do tipo de cultura que queríamos construir, e em organizações tão grandes como a nossa, a simbologia importa. O que comunicamos pelas ações torna-se visível para 320.000 pessoas e faz realmente a diferença.”  

  • Comunique o problema, mas concentre-se nas soluções

“Embora estejamos a ter progressos no nosso processo de mudança na HP, é indiscutível que esta está a emergir de um conjunto de anos desafiantes. Desde de que me juntei à HP, fizemos questão de abordar francamente os nossos clientes, colaboradores, investidores e parceiros. Isto incluiu o diagnóstico de problemas e, mais importante ainda, criar planos claros de como melhorar. 

Um exemplo recente foi a HP Global Partner Conference deste ano. Com mais de 100.000 canais de parceiros mundiais, o nosso canal é crítico para o sucesso da HP. Para reafirmar o compromisso com os parceiros após um período de incerteza, fomos sinceros e reconhecemos os desafios que os nossos parceiros tinham enfrentado. Mas aquilo que nos focámos, e o que os nossos parceiros queriam realmente ouvir, era o delinear de planos concretos para assegurar o sucesso mútuo no futuro.”

  • Dar poder às pessoas

“Pode melhorar as infraestruturas da sua empresa ou ter múltiplos planos da saúde, mas não fará progressos a não ser que conquiste os corações e as mentes das pessoas. É crucial que as pessoas se envolvam com o processo e que tenham o poder para levar a mudança a cabo.

Na HP focamo-nos em envolver e dar poder aos funcionários. Por exemplo, em fevereiro passado, e pela primeira vez, investimos em juntar, pessoalmente, todos os nossos vice-presidentes e gestores dos vários países (todos os 1100). Focámo-nos nos seus papéis enquanto líderes, na nossa estratégia e nas iniciativas-chave para toda a empresa. Criámos um ambiente onde se podiam discutir assuntos difíceis e trabalhar conjuntamente para encontrar soluções para os resolver.

Não se esconder dos problemas difíceis e aumentar os níveis de comunicação a todos os níveis é crucial para assegurar que conseguimos levar a cabo a estratégia e funcionar como uma empresa unida.”

  • Transparência na consistência

“Para que uma empresa seja hoje bem-sucedida, devemos assegurarmo-nos de que todas as partes interessadas da organização, desde os funcionários aos clientes e aos investidores, tenham uma visão clara da estratégia e do desempenho da empresa, seja este bom ou mau.

Com esse fim, estamos a ter uma abordagem mais proactiva na comunicação externa, do que a HP tem passado no passado. Isto inclui uma nova plataforma online que criamos para servir como a casa das atualizações da mudança da HP – a HP Next. Já estamos a utilizar o site para comunicar atualizações importantes da empresa, como a futura direção do nosso conselho.”

Meg Whitman relembra que “todas as mudanças acima mencionadas podem reforçar a cultura de empresa e os seus relacionamentos com as partes interessadas, mas o meu conselho para outros senior leaders é que melhorar a comunicação é, essencialmente, com os funcionários, a todos os níveis, estarem envolvidos e cumprirem com os seus compromissos”.

“Tento reforçar isto todos os dias com a minha equipa. Digo-lhes para darem uma volta e visitarem as pessoas. Para pararem de mandar emails e começar a conversar com as equipas. Deixar as pessoas saberem que está consciente dos desafios e dos problemas e lidar ativamente com eles, importa. No final, melhorar a comunicação é um processo continuo que depende da ação individual. As novas iniciativas e ferramentas corporativas só ajudam até certo ponto.”

Fonte: LinkedIn


meg-whitmanMargaret Cushing Whitman, é líder empresarial e política norte-americana. Foi executiva de várias grandes empresas, como a The Walt Disney Company e a DreamWorks. Meg Withman formou-se na Universidade de Princeton e na Universidade de Harvard. É filiada ao Partido Republicano. Em fevereiro de 2009, Meg Whitman anunciou a sua candidatura ao governo da Califórnia. Ganhou as primárias republicanas a 8 de junho de 2010, tendo sido apontada pelo partido para o cargo de governadora. Meg Withman é a quarta pessoa mais rica do estado da Califórnia, com um património líquido avaliado em 1,3 bilhões de dólares em 2010. A 22 de setembro de 2011, Meg Whitman foi anunciada como a mais nova CEO da HP, tendo ocupado o cargo após a saída de Léo Apotheker. Trata-se da segunda vez na história da Hewlett-Packard que uma mulher ocupa o cargo de direção.