Vários dos seus “melhores” estão a bater com a porta?

Vários dos seus “melhores” estão a bater com a porta?

Quando a cultura da organização não evolui, os melhores funcionários tendem a sair/procurar alternativas, e o negócio começa a afundar. São cinco os grandes sinais de que a sua empresa pode estar a ficar sem fôlego.

J. T. O’Donnell

As companhias nos EUA debatem-se, de momento, com a dificuldade em encontrar pessoas para cargos em aberto. São dois os principais fatores que estão por detrás da atual crise de talento no mercado americano:
- A curva de idade está a criar uma escassez de trabalhadores qualificados.
- A gig economy (economia de trabalho temporário pontual) está a resultar no aumento do “saltitar” de trabalho em trabalho.

Quando o talento está em vantagem, os empregadores precisam de investir na otimização dos seus esforços de recrutamento e de retenção; caso contrário, podem esperar que os melhores funcionários lhes sejam “roubados”, e, consequentemente, têm dificuldade em encontrar bons substitutos.

A marca dos seus funcionários
Durante a escassez de talento é usual falar em “cultura da empresa”. As companhias que têm marcas fortes enquanto empregadoras (conhecidas como tendo boas políticas de empregabilidade e culturas empresariais atraentes) são as que mais ganham na guerra pelo talento. Basta pensar em como a Google e a Apple têm facilidade em recrutar. Milhões de pessoas que procuram emprego aspiram trabalhar para estes dois gigantes. Do lado oposto, uma pobre marca de empregador pode custar caro. E, embora muitas vezes estas empresas defendam ferozmente as suas culturas, deveriam ver que as mesmas precisam de evoluir, ou o negócio pode sofrer.

Erro de liderança n.º 1: falhar em permitir que haja evolução
O principal motivo que leva a cultura de uma companhia a morrer é a liderança não permitir a sua evolução ao longo do tempo. Isto porque se agarrou à cultura inicial que criou – e que se adequa às suas necessidades, em vez de às necessidades dos funcionários em constante mudança e que fazem o negócio sobreviver e prosperar. Ao descansar sobre os louros do sucesso inicial, a liderança torna-se ferozmente protetora da cultura criada. Mas os tempos mudam – o mesmo deveria acontecer com a cultura das organizações.

5 sinais de que a cultura da sua empresa está a expirar
Se a sua companhia está a ter dificuldades em recrutar e manter bons funcionários, o melhor é continuar a ler e ver se reconhece algum dos seguintes sinais de alerta, que podem indicar que a sua organização está a precisar de uma “reforma”:

1. Mais que um par de pessoas reclama em público sobre si enquanto empregador. Colocar um empregador sob os holofotes requer coragem. Quando um trabalhador escolhe expor publicamente as desvantagens da cultura da empresa, é porque está para lá de aborrecido. Se tal acontece uma vez, pode ser interpretado como apenas um ex-funcionário descontente, mas quando são vários, como aconteceu na americana Yelp, então tem um problema.

2. A cultura da sua empresa é tema de chacota ou até denúncias nos media. Um ex-funcionário da empresa de software HubSpot, que escreveu vários artigos, incluindo uma contundente peça no NY Times sobre a cultura da empresa, é agora guionista na série “Silicon Valley”, do canal de televisão HBO, que troça com muito do que a HubSpot se orgulha de ser a sua cultura. E quem não se lembra da série “The Office”, que retratava de forma cómica o impacto do ambiente de escritório tradicional (desatualizado)? Quando as pessoas leem ou veem algo que faz chacota do tipo de ambiente em que trabalham, ficam desencantadas; o pensamento é: “sou um tolo?”.

3. Vários dos seus “melhores” bateram com a porta.
Quando começa a perder alguns dos principais membros da sua equipa de forma inesperada, já não é só uma questão de dinheiro. Mesmo que lhe digam que tiveram uma oferta que não puderam recusar, há algo na cultura da sua empresa que lhes facilitou a saída. “Já fiz isto” é o que pensam, e estão prontos para algo melhor.

4. Participação nos eventos de “diversão” em queda. Os encontros após as horas de expediente, os almoços em conjunto ou os encontros e celebrações fora do local de trabalho não parecem tão apelativos quando a cultura da empresa está a afundar-se. Se há uma quebra na participação, é a forma de os funcionários lhe darem a dica de que não estão com disposição de fazer team building.

5. Benefícios e regalias do escritório não estão a ser tão usados. Se a mesa de matraquilhos, a máquina de café expresso ou as cadeiras de massagem não estão a ter a utilização de outros tempos, pode ser um sinal de que os seus funcionários estão demasiado ocupados a procurar, de forma secreta, novos postos de trabalho. Não aproveitar as regalias faz os colaboradores sentirem que não são mantidos reféns pelas “algemas de ouro” dos benefícios, o que torna mais fácil baterem com a porta.

Se a cultura da sua empresa está a expirar...
Uma boa medida pode ser ter uma nova visão, externa, a avaliar a desconexão entre a atual cultura da sua companhia e os seus objetivos de negócio, o que pode ajudar a ver onde precisa de fazer mudanças. Um bom começo pode ser fazer um survey junto dos trabalhadores existentes – descobrir onde se sentem fora de sincronia com a empresa é o primeiro passo para a construção de um plano no sentido de revitalizar e fortalecer uma cultura enfraquecida.

Fonte: Inc.com

17-01-2017


J.T.ODonnellJ. T. O’Donnell é fundadora e CEO da CareerHMO, plataforma que visa melhorar a carreira e que utiliza tecnologia inteligente para o fazer.