Quer contratar excelência? Deixe de fazer perguntas idiotas nas entrevistas

Quer contratar excelência? Deixe de fazer perguntas idiotas nas entrevistas

Parece que há algo na mente humana que nos impele a agir como idiotas quando entrevistamos candidatos a um cargo. Tudo o que tem de fazer é sentar-se na cadeira do entrevistador, e no entanto, de repente começa a disparar perguntas horríveis! 

Liz Ryan

“Com tantos candidatos com talento, por que devemos contratá-lo?”

“Qual é a sua maior fraqueza – ou falha pessoal, se quiser colocá-lo desta forma?”

“Onde se vê daqui a cinco anos?”

“Se você fosse um animal, que tipo de animal seria?”

Quando entrevista potenciais colaboradores está a fazer um negócio. É um acordo de negócios! Não está a fazer psicoterapia. Não está a planear casar-se com a pessoa. Logo, o que lhe dá o direito de fazer perguntas pessoais intrusivas como “Qual é a sua maior fraqueza?”. Nada lhe dá esse direito – mas nas últimas duas ou três gerações temos ouvido e visto entrevistas feitas desta forma, como tal, pensamos que é o correto. Crescemos com a ideia de que um humilde candidato a um emprego não tem uma posição de força na altura de ser contratado, e que o empregador tem todo o poder. Falso! Os trabalhadores de excelência cientes do papel que desempenham no processo de contratação podem obter bons postos de trabalho junto dos empregadores que não os tratam como lixo. Se quer contratar pessoas excelentes, pare de fazer perguntas idiotas nas entrevistas de emprego.

Eis algumas questões alternativas que pode colocar a um candidato:

“Posso imaginar o quão ocupado é. O que o fez vir a esta entrevista – devido a algo na nossa empresa, no cargo, ou a outro aspeto?”

“Quando pensa nesta função, que questões surgem como mais difíceis de lidar com, ou qual será a maior curva de aprendizagem para si?”

“Para quem está do lado de fora, o que considera que a nossa empresa está a fazer do modo certo e o que estamos a fazer de forma errada?”

“Se avançarmos com o processo de contratação, o que temos de lhe propor para que aceite o cargo?”

Esta é uma nova era na contratação de talento. Se quer carneiros, eles estão em toda parte, pode facilmente encontrá-los e contratá-los. Se quer pessoas capazes, com ideias e autoestima saudável, está na altura de modernizar as suas práticas de recrutamento – a começar pelas questões que colca nas entrevistas!? 

01-09-2015

Fonte: Forbes



Liz RyanLiz Ryan, na lista Fortune 500 de vice-presidentes seniores de Recursos Humanos (RH) durante bastante tempo, é responsável pelo arranque de vários departamentos de RH de startups de sucesso. Começou a escrever sobre o ambiente empresarial para o Chicago Sun-Times em 1997. Hoje colabora com o Huffington Post, a Business Week, LinkedIn, a Harvard Business Review, o Denver Post e Forbes.com. A sua visão de um local de trabalho focado nas pessoas levou à criação, em 2012, da Human Workplace, empresa de coaching, consultoria e editora.