Invista no crescimento – dos funcionários, claro

Invista no crescimento – dos funcionários, claro

Muitos líderes tendem a focar-se nos “avançados” da empresa, e esquecem-se de que não se ganha jogos só com um grande ponta de lança – é o esforço combinado de todos os jogadores que faz ganhar os campeonatos.

O líder tem a oportunidade única de explorar o potencial da próxima geração de talentos na empresa, sobretudo se for uma start-up. Tal começa por não negligenciar os funcionários na base da pirâmide e os que acabam de chegar à organização. 

De acordo com um estudo recente da americana Gallup, quase metade dos trabalhadores sente-se pouco apreciada, o que é um erro. Sobretudo no que diz respeito aos funcionários com menos experiência. São demasiados os líderes, donos de empresas ou empreendedores que descuram o talento em bruto dos recém-contratados.

Muitos responsáveis de organizações concentram-se nos “avançados” (peças-chave) do negócio, mas esquecem-se de que não se ganha os campeonatos apenas com base num grande ponta de lança. É o esforço combinado de todos os jogadores – grandes e pequenos – que faz ganhar os jogos.

Seguem-se alguns mantras que podem ajudá-lo a apoiar os membros menos experientes da sua equipa a evoluir e tornarem-se num sucesso:

1. Dividir as peças
Os novos membros de uma equipa estão muitas vezes cheios de motivação e tentam resolver os novos projetos na totalidade, o que geralmente acaba por ser uma tarefa gigantesca que nem sempre corre pelo melhor. Em vez deixar projetos colossais no colo dos membros mais jovens da equipa e esperar a perfeição, atribua tarefas que eles possam gerir. Tal dá-lhes a confiança de que precisam para trabalhar nas empreitadas maiores quando estas surgirem.

2. Perceber as emoções
Os novos membros da equipa passam por dificuldades e sentem-se vulneráveis. O caminho para ultrapassar este obstáculo é incentivar um diálogo aberto e honesto. Um estudo recente constata que 57% das falhas de projeto ocorrem devido a quebras na comunicação com os funcionários. Muitas vezes, conversar apenas sobre ideias e sentimentos fornece o discernimento necessário para entender o que originou as emoções de um colaborador e como proceder. Crie uma política de portas abertas para os seus trabalhadores expressarem as preocupações ou simplesmente conversarem. Um treinador que mostra ao jogador que as suas opiniões e sentimentos importam fará com que este trabalhe muito mais em prol da equipa.

3. Preparar um plano de jogo
Se a sua equipa se sente nervosa ou oprimida, é porque os colaboradores não têm a informação adequada ou tempo suficiente para tomarem boas decisões. Lançar luz sobre o desconhecido é uma boa forma de acabar com a ansiedade. É como, depois de escurecer, acender a luz da varanda antes de sair: dá uma sensação de alívio. Ter um plano de jogo significa que se pode ver o que está para vir. Uma abordagem de formação prática ajuda a construir a confiança da equipa até que eles possam dominar as competências de que, enquanto líder, precisa. Equipe os trabalhadores com uma extensa abordagem de formação “on the job” no sentido de lhes fornecer as ferramentas necessárias para que tenham sucesso em campo.

4. Agradecer à equipa
Se não mostra o seu agradecimento, como pode esperar o mesmo dos colaboradores? Pratique a sua gratidão ao concentrar-se no que os membros da sua equipa acrescentam à organização (em vez de reclamar sobre o que não trazem). Esta atitude é crucial para forjar uma equipa forte e unida. Tente o seguinte: aponte todos os dias na sua “lista de agradecimentos” todos os aspetos positivos que tem a seu favor. Se decidir salientar o que é bom e minimizar o que é mau, é provável que os seus funcionários lhe sigam o exemplo.

A atitude de uma empresa pode ser atribuída à mentalidade da sua liderança. Centrar-se no que é positivo em vez de só nos aspetos negativos é crucial na formação de uma equipa forte e unida, sobretudo nas alturas mais difíceis.

29-06-2017

Fonte: CEO.com


Portal da Liderança