Em quem confiamos? Valores culturais e (des)confiança nas instituições de Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal

Em quem confiamos? Valores culturais e (des)confiança nas instituições de Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal

Livro

Autor: Paulo Finuras
Edição: março, 2014
Páginas: 172
Editor: Sílabo

Sinopse
A confiança e, sobretudo, a sua ausência estão na ordem do dia e são vários os estudos que apontam para o seu declínio generalizado. Contudo, há culturas que revelam índices de confiança social elevados.
  • Por que razão haverá sociedades mais confiantes do que outras?
  • Será que há uma disposição para se confiar mais numas culturas do que noutras?
  • Que influências podem ter os valores culturais na confiança dos cidadãos?
  • Será a desconfiança um «imposto invisível» que retarda o desenvolvimento económico e social das nações?
  • Que relação existe entre a crescente falta de confiança nas instituições políticas e o crime e a corrupção?
  • Fortes desigualdades na distribuição da riqueza e nos rendimentos podem rasgar o tecido social de uma nação, ou seja, abalar e erodir o sentimento nacional de propósito e identidade comuns?


Este livro de Paulo Finuras aborda todas estas questões e outras relacionadas com a influência da cultura nacional na confiança institucional. Passando para a prática, e apoiando-se nos resultados de uma sondagem sobre a confiança dos cidadãos nas suas principais instituições, o autor caracteriza, numa investigação comparada em quatro países lusófonos (Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal), o «software mental coletivo» destas quatro culturas nacionais.

Esta obra é leitura recomendada para estudantes, investigadores, profissionais das áreas das Ciências Sociais, empresários, quadros organizacionais, políticos e todos aqueles que se interessem pelos grandes temas da atualidade, onde a Confiança se insere cada vez mais como «aquela coisa» que pode mudar «todas as coisas»!


Sobre o Autor
 

Paulo FinurasAntónio Paulo Finuras nasceu em 1962 em Lisboa. Sociólogo, Doutorando em Ciência Política, acumula a consultoria com a docência Universitária na ULHT e na UAL onde é Prof. Auxiliar Convidado. É também o representante oficial do Itim International (fundado pelo Prof. Geert Hofstede e Bob Waisfiz), para Portugal e África Lusófona. Autor dos livros Gestão Internacional e Recursos Humanos (Sílabo, 1999) Gestão Intercultural, 1ª edição, 2003, 2ª edição, revista e atualizada, 2007 e 3ª edição, revista, atualizada e expandida em 2011 (Sílabo).


Opinião
A questão da confiança e do confiável, ou da sua falta, por vezes é negligenciada mas, no meu entender, indevidamente, uma vez que, como também afirma Paulo Finuras neste livro, é a base das relações e do resultado das mesmas, seja a nível pessoal, familiar, social e profissional, nomeadamente ao nível dos negócios e da relação dos cidadãos com as instituições.

Como diz, “A confiança nas instituições, de que afinal, e em grande parte, depende a sobrevivência, o progresso e o desenvolvimento das sociedades, é fundamental, para qualquer país mas sobretudo para os países com democracias recentes (ou tardias).”

Paulo Finuras conduziu um estudo local para auferir sobre a confiança e sobre os valores culturais em Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal. As conclusões a que chega são interessante e, no meu entender, de relevo para quem gere empresas, detém empresas, é responsável por instituições nestes países e/ou pensa vir a fazê-lo e/ou a investir nos mesmos.

Digo isto porque, estando consciente do grau de confiança e do confiável no país e na área em que atua, melhor poderá definir e delinear estratégias para com o mercado e ganhar a confiança do seu potencial cliente.

Algumas das conclusões que o autor procura alcançar neste livro são:
  • Quais padrões de cultura nacional dos quatro países;
  • Que diferenças e semelhanças de valores culturais existem nestes países;
  • Quais as instituições que são mais e menos confiáveis pelos cidadãos de cada país;
  • Qual a relação existente entre os valores culturais e os diferentes níveis de confiança nas instituições para os quatro países, em conjunto e em separado.


Um livro sobre o qual vale a pena refletir.