Reatores nucleares operacionais no mundo

Reatores nucleares operacionais no mundo

A 11 de março de 2011 o tsunami no Japão paralisou a central nuclear de Fukushima e causou o pior desastre nuclear desde Chernobyl (em 1986). O acidente de Fukushima levou outros países a reverem as suas políticas de energia nuclear. O Governo alemão, por exemplo, prometeu eliminar a energia nuclear de forma gradual no espaço de dez anos e substituí-la com energias renováveis. A Suíça também decidiu não construir novos reatores e parar de produzir energia nuclear até 2034. A França, que obtém 75% da eletricidade a partir da energia nuclear e tem o segundo maior número de reatores depois dos EUA, está a planear reduzi-los para metade dentro de uma década.

No total estão operacionais 442 reatores nucleares em 30 países.

Mas ainda há nações que não estão a afastar-se da energia nuclear. A China, sob pressão para cortar os níveis de poluição e a dependência do carvão, pretende mais que duplicar a capacidade nuclear até 2020. Enquanto isso, o programa de energia nuclear da Índia acaba de receber um impulso na sequência de um acordo com a Électricité de France (EDF), a maior elétrica do mundo, para construir seis centrais nucleares.

Fonte: Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA)

16-03-2016 


Portal da Liderança