Capital de risco aposta nas start ups nos EUA

Capital de risco aposta nas start ups nos EUA

Nos últimos anos as gigantes tecnológicas e as empresas recém-chegadas ao mercado têm recebido a atenção – e o capital – dos investidores e do capital de risco. No entanto as oscilações no mercado, a par de alguns percalços nos mercados emergentes e nos estabelecidos levaram os investidores a ser mais cautelosos e a focarem-se sobretudo na rentabilidade dos negócios em que pretendem colocar o seu dinheiro (o gráfico mostra a evolução dos biliões de dólares injetados pelo capital de risco em start ups nos EUA a cada trimestre entre 2010 a 2016).

Em 2016 os investidores continuam à procura de crescimento rentável. O potencial de transformação desencadeado pelas novas tecnologias, desde a inteligência artificial à internet das coisas, vai começar a produzir efeito a partir do momento em que as companhias começarem a alterar a produção, logística e redes de distribuição com a integração da tecnologia criada nos últimos anos.

O que não quer dizer que não seja difícil angariar capital. Com o advento da Quarta Revolução Industrial, e o seu potencial para transformar as indústrias tradicionais, as empresas precisam, cada vez mais, de se adaptar à mudança que já está em andamento. 

Fonte: Fórum Económico Mundial

01-06-2016 


Portal da Liderança