Como as máquinas destroem e criam emprego

Como as máquinas destroem e criam emprego

Se ouvir dizer que “já não se encontram ferreiros como antigamente”, é verdade. Hoje as máquinas fazem um melhor trabalho com o metal. O que suscita uma questão: e se as máquinas forem melhores a conduzir camiões de longo curso? E se atenderem melhor nas lojas? E se robôs preencherem os impostos por nós?

Embora algumas destas ideias sejam controversas hoje, no futuro poderemos olhar para trás e... A verdade é que o mundo laboral está em constante mudança, à medida que a tecnologia muda.

Algumas das funções de hoje com alto potencial de automação podem ser os futuros “ferreiros”. O melhor que podemos fazer é compreender estas tendências e estabelecer um conjunto de competências que sejam procuradas em qualquer mercado.

Na imagem vê-se a evolução dos postos de trabalho ao longo dos últimos 165 anos nos EUA (dados NPR). Pode dizer-se que a tecnologia “matou” a maioria dos trabalhos agrícolas (“Farming”, a verde), enquanto criava empregos na produção industrial, nos serviços, e em ocupações mais administrativas. Podemos estar agora num ponto de viragem semelhante noutras carreiras.

E embora pareça assustador pensar na ascensão das máquinas e um ritmo mais rápido nos avanços tecnológicos, é importante reconhecer que estes tipos de mudanças radicais no mercado de trabalho têm acontecido ao longo da História. A questão é tentarmos não ser a versão do ferreiro no séc. XXI.

Fontes: NPR/Visual Capitalist

04-07-2016 


Portal da Liderança