Produtividade em crise

Produtividade em crise

A produtividade, ou a falta dela, é uma questão-chave para as economias em todo o mundo. Muitas das maiores economias do globo têm vindo a registar quedas na mesma. Os decisores políticos têm tentado explicar as causas, com o Banco de Inglaterra a apelidar esta tendência de “puzzle da produtividade”.

Com os avanços tecnológicos foi assumido que os trabalhadores se tornariam mais produtivos. No entanto, algumas das economias mais avançadas são as que se debatem com os menores níveis de produtividade. 

Os países do G7 estão a passar por uma quebra, mas a Grã-Bretanha mais que os restantes. Nos EUA, por exemplo, durante o primeiro trimestre deste ano a produtividade diminuiu a uma taxa anual de 0,6%. No Reino Unido está 18% abaixo da média de outras principais economias ocidentais, naquele que é o seu pior desempenho desde que se iniciou os registos, na década de 1990.
Dados de 2013 mostram que a França é 13% mais produtiva que o Reino Unido. Isso apesar de os trabalhadores franceses trabalharem menos horas que os britânicos, e de o país ter leis laborais mais protetoras. É o modelo francês o exemplo a seguir?

Entretanto, algumas das ideias que surgiram para melhorar a produtividade incluem um melhor investimento em pessoal e em tecnologia, melhorias estruturais e de gestão, e ajudar as pessoas a desenvolverem as suas competências.

Fonte: The Conference Board

15-07-2016


Portal da Liderança