Oito princípios para liderar como Mandela segundo Stengel

Oito princípios para liderar como Mandela segundo Stengel

Jena McGregor, colunista de liderança do Washington Post, relembrou os 8 princípios de liderança de Nelson Mandela apontados por Richard Stengel, co-autor da autobiografia “Um longo caminho para a liberdade” de acordo com todas as entrevistas que teve com o Madiba.

Mandela-MadibaRichard Stengel apelidou-o uma vez “a coisa mais perto que o mundo tem de um santo secular”.

Princípios para liderar como Mandela:

  1. A coragem não é a ausência de medo – é antes inspirar os outros a ultrapassá-lo.
  2. Lidere a partir da frente – mas não deixe os seus princípios para trás.
  3. Lidere a partir de trás – e deixe que os outros acreditem que estão à sua frente.”
  4. Conheça o seu inimigo – e aprenda sobre o seu desporto preferido.
  5. Mantenha os seus amigos por perto – e os seus opositores ainda mais perto.
  6. As aparências contam – e lembre-se de sorrir.
  7. Nada é branco ou preto.
  8. Desistir também é liderar.

 

Quando Mandela  sentia medo, estivesse na prisão ou mais tarde na sua vida dentro de um avião durante uma aterragem de emergência, este admitiu a Stengel  que os líderes não deveriam deixar que as outras pessoas o  soubessem: “Você tem de colocar uma máscara”. Mandela aprendeu com o rei da tribo que o criou enquanto criança que os líderes não devem “entrar demasiado cedo em discussão”, diz-nos Stengel como algo que Mandela dizia muitas vezes. “É sensato persuadir as pessoas a fazerem as coisas e a pensarem que foi ideia delas.”

Jena McGregor refere que os sul-africanos estiverem impedidos de citar Mandela durante muitos anos, destacando algumas das citações autorizadas por Mandela:

"Os longos discursos, o agitar dos punhos, o bater na mesa e o resolver através de duras palavras não estão em sintonia com as condições necessárias para darem origem a uma ação em massa e podem mesmo provocar grandes danos na organização e na luta que travamos.” - Discurso presidencial no ANC Transvaal Congress, também conhecido como o discurso "Difícil caminhada para a Liberdade", Transvaal, África do Sul, 21 de Setembro de 1953

Não tinha nenhuma crença específica exceto que a nossa causa era justa, era muito forte e que estava a ganhar mais e mais apoio.” – Robben Island, Cidade do Cabo, África do Sul, 11 de Fevereiro de 1994

Os verdadeiros líderes devem estar preparados a sacrificarem-se pela liberdade das suas comunidades.” – Celebrações do centenário de Albert Luthuli,  Kwadukuza, Kwazulu-Natal, 25 de Abril de 1998, África do Sul

O que conta na vida não é o mero facto de termos vivido. É sim a diferença que fizemos na vida dos outros e que determinará o significado da vida que trilhámos.” – Celebração do 90º aniversário de Walter Sisulu, Walter Sisulu Hall, Randburg, Joanesburgo, África do Sul, 18 de Maio de 2002

Nunca foi meu hábito usar as palavras levianamente. Se 27 anos na prisão me trouxeram alguma coisa foi a perceber o silêncio da solidão como um meio para nos fazer compreender quão preciosas são as palavras e qual o impacto que o discurso tem na forma como as pessoas vivem e morrem.” – Enceramento da 13ª conferência internacional sobre a SIDA, Durban, África do Sul, 14 de Julho de 2000

"Todos podme ultrapassar as adversidades e alcançar o sucesso se forem dedicados e apaixonados pelo que fazem." – Carta a Makhaya Ntini pelo seu 100º jogo, de 17 de Dezembro de 2009