Mary Kay: 6 Lições de gestão da apontada como melhor Empresária Feminina da América

Mary Kay: 6 Lições de gestão da apontada como melhor Empresária Feminina da América

Mary Kay Ash referia-se aos seus vendedores como “consultores”, assim lhes manifestando um profundo respeito. Mary criou a Mary Kay Cosmetics a partir do nada e levou-a até aos 2 mil milhões de dólares em vendas, apenas por ser uma líder que dava às pessoas dignidade e um propósito.


Mary-KayMary Kay Ash despediu-se um dia do seu emprego, ao acabar de ver mais um homem a quem tinha dado formação a ser promovido acima dela. O que fez? Decidiu abrir a sua própria empresa. Kay fundou uma empresa de cosmética, onde recorreu a programas de incentivos e outras estratégias para dar aos seus colaboradores a oportunidade de beneficiarem das suas próprias conquistas. As competências de Mary Kay ao nível do marketing e captação do talento depressa a levaram a um enorme sucesso.


Começou com as poupanças de uma vida, 5 000 dólares, e com a ajuda do filho de 20 anos, Richard Rogers, numa sexta-feira, 13 de setembro de 1963. Como linha orientadora, e que determinava praticamente a sua atitude em todas as situações, tomou o lema de fazer aos outros aquilo que gostaria que lhe fizessem a si. Um ano depois, contava com mais de 200 consultoras de beleza e, em 1969, premiava as cinco primeiras Diretoras de Vendas Independentes com o direito de uso do seu próprio Cadillac Coupe de Ville Rosa 1970. Com 10 anos, a empresa já contava com mais de 20 000 consultoras de beleza.

Mary Kay acreditava que havia três prioridades da vida e que estas deveriam ser assim ordenadas: primeiro a fé, em segundo lugar a família e em terceiro a carreira.

Acreditava na extrema importância de reconhecer as conquistas dos outros, encorajando quer os seus colaboradores, quer a Força de Vendas Independente, a agirem como se cada pessoa que conhecessem tivesse um sinal à volta do pescoço a dizer "Faça-me sentir importante".

O que começou por ser o pequeno negócio de Mary Kay Ash, criado com o sonho de ajudar as mulheres a alcançarem o sucesso, transformou-se numa das maiores empresas de venda direta de produtos de cosmética de todo o mundo. Com vendas mundiais atuais de aproximadamente 4 mil milhões de dólares, os produtos Mary Kay são hoje vendidos em mais de 35 mercados por todo o mundo, contando com mais de 3,5 milhões de consultoras de beleza.

Falando sobre Mary Kay, Cory Galbraith, CEO da Galbraith Communications, Canadá, acredita que “a forma como desempenhava a liderança reune lições de valor para qualquer gestor da atualidade”. E nomeia seis delas:

1. “Independentemente de quão ocupado esteja, tem de ter tempo para fazer com que o outro se sinta importante.”

Todos os dias ouvimos nos escritórios alguém proferir um “estou tão ocupado”. Mas não é isso que as pessoas querem ouvir. O que desejam é que as ouçamos, que lhes demos atenção e que reconheçamos a situação em que elas se encontram.

Dê às pessoas tempo do seu dia.

2. “Todos querem ser valorizados. Se valorizar alguém, não faça disso um segredo”.

Mas não o fazemos. Muitas vezes, mantemos o nosso apreço no silêncio. Sou tão culpado como outra qualquer pessoa, acreditando estupidamente que, ao revelar o meu apreço, isso seria de alguma forma embaraçoso. Não é. Pelo contrário. É sim o que os outros necessitam de ouvir. Vivemos num mundo sedento… de amor.

Diga aos outros quanto os aprecia.

3. “Tratamos as nossas pessoas como realeza. Se tratar com dignidade e estiver disponível para aqueles que trabalham para si, estes irão tratá-lo com dignidade e estarão disponíveis para si.”

São demasiadas as empresas que contratam pessoas para depois as ignorarem, deixando-as a terem de se virar sozinhas. Os colaboradores são mal tratados quase em todo o lado, de tal forma que muitos de nós hoje já esperamos que assim seja. Se fizer o oposto, dando às pessoas o reconhecimento merecido, irá conseguir que trabalhem muito mais arduamente. Apesar de tudo o que nos foi dito, o lucro começa numa boa relação com os colaboradores, não com os clientes.

Tratar bem as suas pessoas é a sua primeira obrigação, para que alcance elevados lucros.

4. “Deus não teve tempo para fazer um ninguém, apenas um alguém. Acredito que cada um de nós tem talentos que Deus lhe deu à espera para florescerem.”

O nosso trabalho, enquanto gestores e líderes, é o de encontrar, acarinhar, apoiar e utilizar o talento. Todas as pessoas que tem na sua organização podem contribuir. Cada uma delas tem um talento. Não desista de nenhum deles. Alguns de nós somos dotados de talentos óbvios para todos. Já outros são mais lentos no seu desenvolvimento e manifestação. Mas todos nós temos algo para oferecer.

Seja um especialista em caçar talentos.

5. “O meu objetivo é viver a vida de tal forma que, quando morrer, alguém possa dizer, ela interessava-se.”

Quantos gestores e líderes têm isto como objetivo? Quantos pensam sequer nisto?

Quando não estiver mais por cá, as suas pessoas dirão também que se interessava?

6. “Critique o ato, não a pessoa.”

Tive em tempos um chefe que se zangava quando eu não fazia bem as coisas, mas que nunca me insultou pessoalmente. Este poderia, por exemplo, depois de referir algo que fiz errado, terminar a conversa dizendo “quero que sejas o melhor, porque tu merece-lo”. Mais tarde, quando me tornei eu mesmo gestor, tentei praticar o mesmo, mas falhei muitas vezes. Não demorou muito para que as pessoas começassem a ficar sentidas comigo. Já não me viam como um líder, mas antes como um tirano. Mesmo que não façamos mais nada enquanto gestores e líderes, temos de colocar o foco da nossa atenção nas ações e nos comportamentos, enquanto mantemos o respeito pelas pessoas.

Diga às pessoas que o que irá dizer é sobre o que fizeram e não sobre o que são.

Mary Kay Ash acreditava nas pessoas e desejava verdadeiramente ajudá-las. Em 1996, fundou a Mary Kay Charitable Foundation, destinada a apoiar a investigação sobre o cancro e a luta pelo fim da violência doméstica.

A sua grande lição para os líderes de hoje é simples: “Trate as pessoas com dignidade e estas far-lhe-ão só bem”.

Não se trata apenas da coisa certa que pode fazer, mas da única que dá sentido a um bom negócio.

Linha cronológica da Mary Kay até 2010.



Cory-Galbraith-artigosCory Galbraith é fundador e líder da Galbraith Consulting, dedicada ao desenvolvimento da liderança, aconselhamento, palestras e conferências (costumizadas para o setor industrial e para o público geral) em temas de liderança. Para mais informações e contacto, ver aqui.