José António Saraiva: "Um político tem de ser sério e credível"

José António Saraiva: "Um político tem de ser sério e credível"

O diretor do SOL diz que Portugal precisa, em termos de liderança política, "de muita seriedade, que era aquilo que o Eng.º Sócrates não tinha, e de muito carisma, que é aquilo que o Dr. Passos Coelho ainda não tem". Para este, "o grande desafio de Angola nestes próximos tempos é a transparência."

Em entrevista ao Portal da Liderança, José António Saraiva, diretor do SOL, falou-nos sobre as suas lições de liderança e analisou politicamente Portugal e Angola. Falou-nos ainda sobre os desafios de desenvolvimento que se colocam aos dois países.


Portal da Liderança (PL):  Foi diretor do semanário Expresso durante 21 anos. Qual a situação que o fez aprender mais em termos de liderança e o que aprendeu?

Resolver as coisas no momento e não acumular problemas.

PL:  Em 2007 lançou o semanário Sol, presente em Portugal, em Angola e em Moçambique, do que é diretor. Quais os principais desafios de liderança que se lhe colocam?

O grande desafio é muito mais empresarial e financeiro do que editorial.

PL: Quais as principais qualidades do líder jornalístico?

 

Conseguir transmitir motivação e confiança.

PL: Quais as qualidades mais importantes do líder político português nos próximos dez anos para conseguir fazer a diferença? 

O que é essencial ao líder político é ser sério e credível.

PL: Como vê a liderança política de Angola e quais os desafios de liderança que se lhe colocam no futuro?

Angola teve a sorte de encontrar um líder ponderado, sensato e com capacidade de controlar o poder.

José António Saraiva,  arquiteto de formação, licenciou-se em 1973, pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Antes da conclusão do curso já se tinha iniciado como jornalista tendo, ao longo da sua carreira, integrado as redações dos jornais Comércio do Funchal, Diário de Lisboa, República, Opção, A Bola, A Luta, Portugal Hoje, Vida Mundial, Espaço T Magazine, Baluarte e Diário de Notícias. Em 1985 foi designado diretor do semanário Expresso, funções que ocupou até 2006. Em 2007 lançou o semanário Sol, de que é diretor. José António Saraiva é ainda professor convidado no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. Em 2004 foi galardoado com o Prémio Luca de Tena de Jornalismo, atribuído pelo jornal espanhol ABC.