Mexia, Horta Osório e Ferreira de Oliveira são os galardoados dos Best Leader Awards

Mexia, Horta Osório e Ferreira de Oliveira são os galardoados dos Best Leader Awards

Sob o mote da renovação, da dinâmica e do movimento, eis que os Best Leader Awards celebram sete anos.

E que outro número melhor – o sete está associado à renovação – para marcar a diferença quando falamos de um evento que enaltece as boas práticas da liderança, que se traduzem na capacidade de inspirar, de influenciar ou de transformar? 

A cada edição, preparada ao detalhe pela consultora portuguesa Leadership Business Consulting, foram sendo galardoadas figuras de reconhecido mérito e relevância, líderes de perfil único, sinónimos de uma capacidade ímpar de liderança. Sempre em prol da demonstração cabal do quão importante é a liderança numa organização e no futuro da sociedade, a Leadership Business Consulting sublinhou, a cada entrega dos galardões, que o êxito das organizações depende em larga medida de lideranças assentes em fortes princípios éticos; inovadoras e transformadoras; agregadoras e geradoras de novos talentos; mobilizadoras de vontades coletivas e orientadas para resultados sociais e economicamente sustentáveis.

Chegada a sétima edição dos Best Leader Awards, a Leadership Business Consulting reuniu os 35 galardoados das edições anteriores para distinguir três: o mais inspirador, o mais influente e o mais transformador. Entre os líderes a votação contavam-se nomes como António Horta Osório, António Mexia, António Pires de Lima, Armando Zagalo de Lima, Ferreira Machado, Fortunato Frederico, Lídia Sequeira, Luís Paulo Salvado, Manuel Ferreira de Oliveira ou Paulo Rosado.

Foi então criada uma comissão eventual de avaliação, presidida por Eduardo Catroga, com a votação a realizar-se via formulário eletrónico anónimo, enviado a cada membro da comissão. E já se conhecem os nomes daqueles que serão homenageados durante a habitual gala do evento, que decorre no próximo dia 2 de março, no Palácio Foz, em Lisboa.

O mais inspirador? António Horta Osório. O mais influente? António Mexia. E o mais transformador? Manuel Ferreira de Oliveira.

O mais inspirador – António Horta Osório
Tem um estilo de gestão participativo, descentralizado e meritocrático. Ouve opiniões e, uma vez definido o rumo, considera que não se deve olhar para trás mas avançar-se com rapidez, conferindo mais responsabilidade e autoridade com base no mérito. Não acredita na mera delegação, combina os resultados que devem ser atingidos com cada um dos membros da equipa.

O mais influente – António Mexia
Acredita que liderar tem que ver com a capacidade de influenciar os outros, libertando o poder e potencial das pessoas e das organizações. Há que criar uma visão clara e que mereça respeito. A visão deve ser forte, ter um propósito, mostrar um caminho, ajudar a perceber as prioridades e, acima de tudo, perceber os valores que presidem à atuação da organização.

O mais transformador – Manuel Ferreira De Oliveira
Considera crucial que um líder se apaixone pelos projetos em que se envolve e transmita com eficácia aos colaboradores. Um líder deve ter uma perspetiva a longo prazo, deve desenhar uma estratégia e inspirar, nas equipas, a confiança e motivação para a sua execução. Deve reger-se pelos mais elevados princípios éticos e morais para que seja um exemplo.

29-02-2016

Este artigo, bem como a imagem, constam na edição de 26 de fevereiro de 2016 do jornal OJE, media partner dos Best Leader Awards.


Portal da Liderança