É liderar um instrumento de Paz e de Sustentabilidade? – Nuno Olim Marote

É liderar um instrumento de Paz e de Sustentabilidade? – Nuno Olim Marote

Quando recebi o convite do Portal de Liderança para integrar esta coluna de “jovens líderes”, e feita a reflexão inicial sobre qual deveria ser a minha abordagem a tal desafio, entendi que o mais lógico e natural seria fazer refletir nela as minhas inquietações, áreas de interesse e de intervenção e, acima de tudo, relacionar os conceitos e temáticas que tenho vindo a destacar e a investigar no âmbito do Projeto Sustentar – Plataforma Multidimensional e Inclusiva para o Desenvolvimento.

Consciencializar e criar conhecimento sobre a questão multidimensional da Paz e do Desenvolvimento Sustentável é o principal drive que me move. Que move o Projeto Sustentar. Que devia mover qualquer líder. Porque liderar é um instrumento de Paz. Importa-me portanto, que se faça uma renovada e integrada (re)leitura daquilo que podemos entender por Desenvolvimento Sustentável e sobre a Paz.

Permitam-me que, e para início de raciocínio partilhado, faça a fusão destes dois conceitos, citando o Papa Paulo VI: O Desenvolvimento Sustentável é o novo nome da Paz.

Entendo que, em boa verdade, e tal como com o Globalismo, sabemos muito pouco e cada vez menos sobre Desenvolvimento Sustentável e sobre a Paz. Sim, sabemos cada vez menos e controlamos cada vez menos estes conceitos, quer se goste ou não se goste. Controlamos cada vez menos o mundo. Resultado também dos enormes avanços tecnológicos, avanços esses que se traduzem num vetor de desenvolvimento, muitas vezes ambíguo e desigual. 

Basta que se faça um olhar, e não precisa ser muito critico, sobre o mundo que nos rodeia, sobre os modelos e bases de desenvolvimento dos vários países e sobre os respetivos modelos de cooperação. O mundo é, está e será sempre desigual. E é muito interessante que assim seja.

No meu entender, as diferenças e as divergências são elementos tão complexos que permitem ampliar e desenvolver soluções, inovar e perceber também que liderar é sempre um fator de diferenciação.

Cada contexto permite e justifica diferentes lideranças. Cada liderança é desafiada por diferentes contextos de Paz. Importa então perceber quais os valores que deveriam estar associados a uma Liderança Universal, a uma Liderança para a Paz.

Confesso que vos proponho este permanente exercício de tudo relacionar com a Paz, inspirado num episódio da Sociedade das Nações, em que, em entrevista, o Prof. Yorizumi Watanabe, se referia aos objetivos do comércio internacional, comparando a China e o Japão:

(..) o comércio não é uma atividade humana apenas relacionada com lucros, com ganhos de dinheiro ou algo do género. (...) é uma questão cultural. E é através do comércio que os países acabam ligados. (…) são os objetivos a longo prazo do comércio internacional (...) contribuir para o aumento de confiança entre dois países ou duas culturas ou duas civilizações diferentes, e que os una no crescimento de Bem-Estar, da Prosperidade e, mais importante de tudo, darmos origem à Paz. Paz através do Comércio. Julgo que esse é o objetivo derradeiro do Comércio Internacional."


Um dos valores a que me referi anteriormente, que considero universal e primordial e sobre o qual hoje importa refletir, é a Ética. A Ética na Liderança, como ingrediente transversal e necessário. A Liderança, enquanto instrumento inspirador. A Ética, enquanto verdade universal, e a Ética da Reciprocidade, como regra fundamental nos mais diversos campos de estudo e investigação, da religião à filosofia.

Concluo destacando a ideia de que um líder deverá sempre imprimir uma dimensão pessoal, uma dimensão ética e uma identidade nas soluções que desenvolve e nas respostas que estão subjacentes ao seu ato de liderar. O agir de acordo com os nossos valores é um potenciador de energia tão potente que move montanhas. O código de valores de cada um deve ser tão pessoal quanto transmissível e será nesse contágio, nessa capacidade de influenciar, que dará origem ao boost necessário para o sucesso e para uma liderança capaz de gerar seguidores. 

 


Nuno-Olim-MaroteNuno Olim Marote é fundador e Presidente do Projeto Sustentar – Plataforma Multidimensional e Inclusiva para o Desenvolvimento, projeto desenvolvido e ancorado ao PhD em Estudos de Desenvolvimento do ISEG e com o Alto Patrocínio da Presidência da República de Portugal e Cabo Verde, apoio institucional da CPLP e da UNESCO. Foi auditor da KPMG Portugal e consultor da Capgemini Ernst Young. É Licenciado em Gestão de Empresas pelo ISG.