Como podemos financiar o nosso próprio negócio? – Sandra Correia

Como podemos financiar o nosso próprio negócio? – Sandra Correia

Hoje gostava de partilhar convosco o meu conhecimento sobre um tema que está presente diariamente no pensamento, nas ações e nas estratégias de qualquer líder: angariar financiamento, direto ou indireto.

O que é que um líder tem em comum com um empreendedor, empresário e pessoa de negócios? O facto de ser líder e de ter no seu dia-a-dia uma constante preocupação, que se resume a dois pilares fundamentais para o sucesso de qualquer negócio: Aumentar as vendas e Diminuir os custos. É o balanço entre estes dois pilares que ditam o sucesso de qualquer negócio.

Muitas vezes, o vender mais não significa que vá conseguir o financiamento certo para o crescimento do seu próprio negócio ou, pelo contrário, que menores custos gerem a mesma equação. Em qualquer fase do seu negócio, seja na fase inicial (Start Up) seja na fase de crescimento ou na de maturidade, o financiamento é um vetor essencial para potenciar o crescimento ou a passagem para o próximo estágio. 

Perguntam vocês: E como podemos financiar o nosso próprio negócio?

Resposta: Tem várias hipóteses e é sobre as mesmas que eu vos quero falar e dar sugestões:

  • A forma tradicional, junto da família, dos amigos ou dos bancos.
  • A forma mais comum, por capital de risco, BUSINESS Angels, mas que exige toda uma estratégia e um plano de negócios, bem escalonado e com retorno garantido.
  • A nova tendência de financiamento, e a que está mais na moda, o Crowdfunding.


No Crowdfunding, encontramos dois tipos, ou duas vertentes:

  • O Crowdfunding baseado no donativo global, onde os doadores ou investidores fazem a sua doação, em troca de um produto, de um serviço ou simplesmente para doar em projetos de puro empreendedorismo. Na minha opinião, esta é uma das vertentes mais eficazes para lançar novos produtos e serviços, porque funciona como um teste de mercado ainda antes de o produto ou serviço ter sido lançado. Nos USA este formato está a ter um sucesso incrível. Exemplos: Kickstarter; Crowdrise; Indiegogo entre outros.
  • O Investment Crowdfunding, onde os doadores compram uma participação no negócio, investem e recebem um retorno por esse facto, pelo que é diferente da doação na sua forma mais simples. Estes investidores são os shareholders do negócio. Esta prática também está a crescer bastante nos USA.


Por último, podemos ter uma nova forma, mais "trend", que será a junção de vários empreendedores num só negócio comum a todos, como que numa nova forma de Associativismo e em conjunto com as diferentes redes de networking e diferentes "skills" e que podem angariar financiamento em alta para o seu negócio. Esta última modalidade requer uma mudança de cultura, de mentalidades, trabalho de equipa, e pode ser um novo caminho para o financiamento, numa não dependência dos métodos tradicionais.

Estas questões são comuns a todos, embora goste de relembrar que o financiamento é apenas uma pequena parte do mundo dos negócios, pois na realidade, o que conta é a paixão com que o fazemos, a forma como desenvolvemos o nosso marketing, a definição dos nossos objetivos e estratégias e ter uma boa equipa que atue com a mesma visão e objetivos.

Sem paixão e sem boa equipa dificilmente teremos sucesso. Assim, para se ser um bom líder, só poderá ser-se um Líder Apaixonado.

 


Sandra-Correia-Pelcor-ColunistaSandra Correia fundou e é CEO da Pelcor desde 2005. Foi gestora da qualidade da Novacortiça e é formada em economia pela Universidade de Huelva, em empreendedorismo e gestão da inovação pela Universidade Católica e em comunicação empresarial. Conta com um extenso currículo, que inclui coleções para o MoMA de Nova Iorque e trabalhos desenvolvidos para personalidades como Barack Obama, Hillary Clinton, Angela Merkel e Madonna. Inclui também peças customizadas para a Cimeira da NATO em Lisboa (2010). Em 2011, Sandra Correia foi nomeada Melhor Empresária da Europa, prémio atribuído pelo Parlamento Europeu e Conselho Europeu das Mulheres Empresárias.