Comércio eletrónico – um negócio em progressão

Comércio eletrónico – um negócio em progressão

O e-commerce aumenta a possibilidade de escalar o negócio. E permitiu democratizar o empreendedorismo. No entanto, muitas empresas ainda enfrentam desafios significativos na venda dos seus produtos e serviços.

Frederico Carvalho

Ao reduzir a distância e os custos transacionais, o comércio digital tem o enorme potencial de capacitar empresários e negócios de todas as dimensões, ligando-os à economia global.

Numa altura em que 12% do comércio internacional é feito online, há uma enorme lacuna digital, tendo em consideração que 4 mil milhões de pessoas nos países em desenvolvimento não dispõem de acesso à internet, e que mil milhões vivem em países menos desenvolvidos.

Em Portugal, com 70% da população online, o comércio eletrónico representa cerca de 49,8 mil milhões de euros. Ou seja, 32% do valor do PIB. Em 2020, a previsão é de 90 mil milhões de euros, representando 54% do valor do PIB, de acordo com o estudo “Economia Digital em Portugal 2009-2017” da ACEPI/IDC.

Todos os dados indicam que o comércio eletrónico tem ainda bastante espaço de progressão, e existem cada cada vez mais oportunidades nesta área. Este negócio permitiu democratizar o empreendedorismo, mas muitas empresas  continuam a enfrentar desafios significativos na venda dos seus produtos e serviços. Em Portugal, as pequenas e médias empresas necessitam de uma visão e estratégia adequadas para conseguirem aproveitar e explorar esta oportunidade.

De referir ainda outros aspectos que são fundamentais avaliar, como as leis comerciais e os regulamentos aduaneiros, bem como o facto de que as empresas não acompanharam o crescimento do comércio eletrónico global. O e-commerce aumenta a possibilidade de escalar o negócio, e as redes comerciais permitem que pequenas e médias empresas estejam agregadas a  mercados; mas continua a existir um fosso entre países desenvolvidos e em desenvolvimento.

Um estudo recente do Centre for International Governance Innovation, em colaboração com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) e a Internet Society, mostra que 49% das pessoas estão cada vez mais preocupadas com a sua privacidade quando fazem compras online. Verifica-se uma elevada preocupação por parte dos consumidores com os cibercriminosos, empresas de internet e Governos que captam dados ilicitamente. Consequentemente, a falta de confiança é o principal motivo que os impede de fazer compras online. O que significa que as empresas devem discutir e encontrar soluções para esta situação.

No enquadramento das compras na net, a fraude online constitui um problema crescente a nível internacional. Este crime tem vindo a aumentar na ordem de 30% por ano; no seu mais recente estudo, a Radial anuncia que no início deste exercício houve uma subida de 200%, face a 2016, no “teste ao cartão de crédito”.

Com os crescentes desafios na área de negócio em canais digitais, e a democratização das leis, é importante acompanhar as exigências do consumidor e solucionar os danos da pirataria informática, permitindo assegurar que o comércio eletrónico tenha condições para prosperar.

05-05-2017

FredericoCarvalhoSmall1

Frederico Carvalho, fundador do ClickSummit.org – Conferência de Marketing & Vendas Online, é consultor de vendas online para marcas reconhecidas, coordenador da pós-graduação em Gestão de Negócios Online no IPleiria, formador na FLAG em vários temas ligados ao marketing digital, e é managing director da SMSonline.pt.
Com 11 anos de experiência na criação e promoção digital – resultantes da criação da própria empresa e da colaboração com companhias como o Ikea, Rock in Rio, Elogia, Research & Design - Digital Agency/Grupo ActualSales –, foi obtendo uma visão alargada para dinamizar técnicas inovadoras e eficazes de marketing digital.
O desenvolvimento de ações para grandes marcas como a Delta Cafés, a Europ Assistance, a Fnac, L’Oréal, Microsoft, Nielsen ou Toyota Portugal permitiu-lhe perceber a importância da otimização do valor do cliente, focando o ambiente online.