O efeito multiplicador de Silicon Valley

O efeito multiplicador de Silicon Valley



Quando as pessoas falam sobre o segredo por detrás do sucesso de Silicon Valley, um dos temas comuns é a noção de reciprocidade.

Torben Rankine

Silicon Valley, nos EUA, está construído em camadas de confiança e na noção de que, se eu sou bem-sucedido, é em parte devido ao ecossistema de suporte em meu redor: o conhecimento disponível, os prestadores de serviços, o talento e a tecnologia, os primeiros adotantes, os primeiros investidores. Assim, é muito provável que, se for bem-sucedido, dê algo de volta ao ecossistema.


Há outro benefício associado a estar a viver na capital mundial da inovação – o efeito multiplicador. E que remonta à febre do ouro. Mas a riqueza não tem de vir necessariamente do próprio ouro. Por exemplo, quando, no início de 1850, Levi Strauss, que vivia na Costa Leste, ouviu falar da corrida ao ouro na Califórnia (Costa Oeste), mudou-se para São Francisco e fez fortuna a vender roupas, botas e outros artigos para as pequenas lojas de retalho do oeste americano e, claro, inventou as calças de ganga.

O mesmo acontece hoje na Área da Baía de São Francisco. Quando a Apple lançou o iPhone emergiu todo um novo, e enorme, mercado para aplicações (apps). Agora temos milhões de aplicações disponíveis e um espaço extremamente competitivo. Com o nascimento e promoção das apps surgiram outras oportunidades de negócio: a necessidade de rankings e comentários das aplicações, análise de dados sobre os utilizadores, a necessidade de dispositivos de armazenamento, aplicações na cloud, etc. O benefício de ser em Silicon Valley é o de se ter maior probabilidade de estar no lugar certo na hora certa. Este efeito multiplicador vem das oportunidades de negócios que são geradas como resultado de inovações disruptivas, bem como do contínuo sucesso de empreendedores locais, que contribuem todos de volta para o ecossistema. O sucesso gera sucesso.

Temos o exemplo da Máfia PayPal – nome dado ao grupo de alumni da empresa de pagamentos online que foi adquirida pela eBay em 2002 –, se olhar para as start ups em que este grupo está envolvido vai ficar surpreendido. Entre as start ups fundadas ou a ser apoiadas pela Máfia PayPal estão a Yelp, o LinkedIn, Uber, Airbnb, Square, Pinterest, Stripe, Palantir, SpaceX, Tesla, Yammer.

Até uma empresa como o YouTube, que foi comprada pela Google em 2006 por 1,6 biliões de dólares, foi fundada por três ex-alumni PayPal: Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim. Estes senhores: Elon Musk, Peter Thiel, Jeremy Stoppelman, Reid Hoffman, Keith Rabois, Max Levchin, David Sacks, Scott Banister, Roelof Botha fizeram todos parte da história da PayPal e estão no centro de muitas das atuais start ups-estrelas de Silicon Valley, e que são algumas das tecnológicas mais valiosas de sempre. Eles passaram de criar novas empresas para investir noutras e aconselhar uma nova geração de jovens empreendedores. Enquanto o sucesso coletivo continuar, Silicon Valley continuará a ser o centro da inovação e do universo start up.


09-11-2015

 
torben copyTorben Rankine é diretor da West Coast Sales e country manager da Leadership Business Consulting nos EUA.

 

 


 

[Colunistas]                                                                                [Topo]