10 razões porque os melhores talentos o abandonam

10 razões porque os melhores talentos o abandonam
Alguma vez reparou que os líderes gastam imenso tempo a falar sobre talento, mas que fazem sempre os mesmos erros, vezes e vezes sem conta?

Esta pergunta foi colocada por Mike Myatt, consultor de gestão de líderes da Fortune 500 CEO e CSO da N2growth na Forbes.

Numa empresa, nada custa tanto ou é tão inoportuno como a partida inesperada de um dos seus talentos. Com todo o ênfase que tem havido no desenvolvimento da liderança, custa-me acreditar nas dificuldades que as empresas têm em reter os seus melhores talentos, diz Myatt.

Mas como acabar com a saída dos seus talentos?
Pergunte a qualquer CEO se têm algum processo para reter e desenvolver talento e a resposta será sim. Falarão logo sobre as suas iniciativas de desenvolvimento de talento e das ferramentas que utilizam. Como na maioria parte das cosias relacionadas com o mundo corporativo, os processos são muitas vezes baseadas em teorias, e não em experiências, diz Myatt.

Segundo Mike Myatt, quando avalia o talento de qualquer organização, deve olhar para a sua cultura e não para a retórica, ou seja, olhe para os resultados e não para os comentários sobre o potencial. Apesar de algumas perspetivas delirantes, quando entrevistamos alguns empregados, isto foi o que nos disseram:

  • Mais de 30% acredita que estarão a trabalhar noutro sítio dentro de 12 meses.
  • Mais de 40% não respeitam a pessoa a quem têm que prestar satisfações.
  • Mais de 50% diz que têm valores diferentes dos do seu empregador.
  • Mais de 60% não sente que os seus objetivos de carreira estão alinhados com o que o empregador tem desenhado para eles.
  • Mais de 70% não se sente valorizada pelos seus empregadores.

Myatt aconselha todos os empregadores que pensam que têm “tudo sob controlo”, a reavaliar a situação. E relembra um velho ditado que diz que “os empregados não deixam de trabalhar para a empresa, deixam de trabalhar por causa dos patrões”. Os empregados que normalmente deixam a empresa voluntariamente, independentemente dos anos de casa, cargo ou titulo, fazem-no porque sentem algum tipo de desconexão com a liderança, diz Myatt.

Empregados que se sentem desafiados, atraídos, valorizados e recompensados emocional, intelectual e monetariamente, raramente deixam a empresa e o seu desempenho é muito elevado. No entanto, relembra Myatt, “se não prestar atenção a alguma destas áreas, será apenas uma questão de tempo até que eles saiam porta fora”.

Segundo Mike Myatt, os seus talentos abandonam-no devido às seguintes 10 razões, as quais entende que os líderes inteligentes não cometem:

  1. Não Conseguir Libertar as Paixões: Empresas inteligentes alinham as paixões dos seus empregados com as atividade corporativas. A natureza humana faz com que seja difícil afastar-nos dessas áreas de paixão. Ao não entender isso, está a encorajar os seus empregados a procurarem as suas paixões noutro sítio.

  2. Não Desafiar os Intelectos: Pessoas inteligentes não gostam de viver num mundo aborrecido. Se não desafiar as pessoas, estas irão trocá-lo por alguém ou algum lugar que o faça.

  3. Não Envolver a Criatividade: O grande talento está sempre ligado a melhorar e aumentar o valor. Foram feitos para mudar e inovar, e portanto, precisam de deixar a sua marca em qualquer coisa. Os líderes inteligentes não fecham os empregados dentro de caixas, dão-lhes liberdade. Qual o objetivo de ter uma corrida de cavalos, se não os deixar correr?

  4. Não Desenvolver as Capacidades: A liderança não tem um destino. É uma viagem sem parar. Há sempre espaço para o crescimento, desenvolvimento e maturação, mesmo que a pessoa seja inteligente e talentosa. Se limitar essa possibilidade de crescimento, estes irão procurar alguém que não o faça.

  5. Não Dar a Voz: As pessoas talentosas têm bons pensamentos, ideias e observações. Se não os ouvir, garanto que alguém será capaz de o fazer.

  6. Não se Importar: Claro que as pessoas trabalham para receber no fim do mês, mas essa não é a única razão. Na realidade, alguns estudos até provam que isso nem é o mais importante. Se não se importar emocionalmente com as pessoas, estas acabarão por deixá-lo, independentemente do seu salário.

  7. Não Liderar Bem: Negócios, produtos, projetos e equipas não falham. Quem falha são os líderes. A melhor prova para o valor da liderança é o que acontece na ausência do líder, o que por norma é muito pouco. Se não liderar, a sua equipa irá à procura de liderança noutro lugar.

  8. Não Reconhecer os Contributos: Os melhores líderes não ficam com os louros. Dão-nos a quem os merece. Não reconhecer os contributos dos outros, para além de arrogante e desonesto, é o mesmo que lhes pedir para se irem embora.

  9. Não Dar Mais Responsabilidades: Não pode limitar o talento. Se o tentar, estará a transmitir mediocridade ou a forçar os seus talentos a procurarem um lugar que não os limite. As pessoas aceitarão com alegria uma maior carga de trabalho, desde que o seu desempenho e a execução do trabalho sejam acompanhados por um aumento de responsabilidades.

  10. Não Cumprir com as Promessas: Prometer só por prometer nada significa, mas cumprir com essas promessas é inestimável. Se quebrar o elo de confiança com aqueles que lidera, irá pagar caro. Os líderes que não prestam contas à sua equipa, eventualmente serão alvo de culpa da mesma.


Se os líderes passarem menos tempo em tentar reter as pessoas, e mais tempo a tentar entendê-las, acarinhá-las, a investir nelas e a liderá-las bem, isto de reter pessoas não seria um problema, diz Myatt.

Fonte: Forbes


Mike MyattMike Myatt é consultor de gestão dos líderes da Fortune 500 CEOs, autor de várias obras, entre elas o "Leadership Matters...The CEO Survival Manual". Anterioremente foi líder num banco de investimento e diretor numa firma de advogados. Escreve habitualmente sobre liderança e inovação em várias publicações de renome internacional.