Médio Oriente – principais exportações

Médio Oriente – principais exportações

Este mapa revela a riqueza, influência geopolítica e os recursos naturais da região, bem como de partes da Ásia Central. A exportação n.º 1 é o crude ou derivados de petróleo. Os países do Médio Oriente representaram, em 2015, uma parte significativa das receitas globais da exportação de petróleo, avaliadas em 325 mil milhões de dólares (cerca de 287 mil milhões de euros), ou 41,3% das exportações mundiais de petróleo bruto.

A Arábia Saudita, o Iraque, os Emirados Árabes Unidos, o Kuwait, o Irão e Omã estão entre os 15 principais exportadores de crude em 2015. A Rússia e o Cazaquistão, da Ásia Central, também fazem parte deste grupo. Os regimes da região descobriram que podem ter muitos benefícios com este poder económico, como uma maior influência nos assuntos globais.

Uma das economias mais avançadas da região, Israel, não depende da exportação de petróleo. O país teve de encontrar outras formas de criar valor no mercado global. As três principais exportações incluem produtos de eletrónica e software, diamantes lapidados, e produtos farmacêuticos.

Já o Afeganistão, devastado pela guerra, e que não é um produtor de petróleo relevante no mercado mundial, obtém a maioria das receitas em exportação com diferentes recursos naturais. O ópio é o rendimento mais valioso, com os opiáceos como a morfina e a heroína a representarem a maior parte das exportações – com um valor estimado, em 2013, de 3 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros), em preços de fronteira, ou seja, cerca de 15% do PIB equivalente do país.

Fonte: Visual Capitalist

12-05-2016


Portal da Liderança