MNE dos 6 países fundadores da UE reúnem-se

MNE dos 6 países fundadores da UE reúnem-se

Os chefes da diplomacia dos seis países fundadores da União Europeia (UE) reúnem-se no sábado em Berlim para debater as consequências do referendo britânico, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) alemão, Frank-Walter Steinmeier.

Na reunião na qual Steinmeier será o anfitrião participam os MNE francês, Jean-Marc Ayrault; holandês, Bert Koenders; italiano, Paolo Gentilon; belga, Didier Reynders; e o luxemburguês, Jean Asselborn, em representação dos seis países que a 9 de maio de 1957 assinaram o Tratado de Roma, que deu origem ao que é hoje a União Europeia.

O Reino Unido (cujos eleitores escolheram esta quinta-feira sair da UE) a Irlanda e a Dinamarca foram os países do primeiro alargamento da Comunidade Económica Europeia, a 1 de janeiro de 1973.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair da União Europeia, depois de o “Brexit” ter conquistado 51,9% dos votos num referendo com uma participação eleitoral de 72%, segundo os resultados finais.

Na sequência do referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a intenção de se demitir em outubro. “Os britânicos tomaram uma decisão clara […] e penso que o país precisa de um novo líder para tomar essa direção”, disse o governante, que fez campanha pela permanência do Reino Unido na UE. “Penso que não estaria certo eu tentar dirigir o país para o seu novo destino. Penso que o correto é que esse novo primeiro-ministro acione o artigo 50.º”, acrescentou.

Cameron referia-se ao artigo do Tratado de Lisboa, que afirma que “qualquer Estado-membro pode decidir, em conformidade com as respetivas normas constitucionais, retirar-se da União”.

O primeiro-ministro britânico precisou que se manterá no cargo até ao outono e à designação de um novo líder do Partido Conservador no congresso previsto para outubro.

O Reino Unido votou na quinta-feira a favor da saída da União Europeia, com 52% votos no “Sair” (“Leave”) e 48% no “Permanecer” (“Remain”), num referendo com uma participação eleitoral de 72%.

Em Portugal, o ministro dos Negócios Estrangeiros lamentou profundamente a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, considerando que “é um dia triste”, e reiterou que os interesses das comunidades portuguesas naquele país serão “protegidos e defendidos”. “Lamentamos profundamente, mas respeitamos a decisão do povo britânico. Hoje é um dia triste, é mau dia para a Europa, mas a Europa tem de seguir em frente”, disse à Lusa o ministro Augusto Santos Silva.

24-06-2016 


Portal da Liderança