Ansiedade? Não a suprima – faça-lhe frente

Ansiedade? Não a suprima – faça-lhe frente

Seja qual for o dia da semana, o stress não diminui, aliás, o estado de ansiedade permanece nos píncaros e não há nada que consiga fazer para o reduzir? Há estratégias para gerir – e passar a liderar – os sintomas. Como estas 10 dicas de uma psicóloga.

O dia a dia pode ser extremamente stressante – sobretudo para os profissionais que sofrem de ansiedade. Não há dados concretos sobre quais os ambientes de trabalho mais adequados para os funcionários mais ansiosos, mas, de acordo com a psicóloga clínica americana Marla Deibler, estas pessoas devem evitar limitar-se. A diretora-executiva do Centro de Saúde Emocional de Filadélfia, nos EUA, declara à Business Insider que evitar as situações é um fator que concorre para a ansiedade. “Aqueles que se debatem por serem ansiosos devem esforçar-se por participar de forma plena na vida, apesar dos efeitos físicos da ansiedade – em qualquer lugar e a qualquer momento”, diz a psicóloga. “Estar disposto a passar pelas experiências (pensamentos, sentimentos, sensações físicas, etc.) e aceitá-las, continuando a agir de acordo com o que é importante para o indivíduo, vai conduzi-lo no sentido de parar de lutar com a ansiedade”, explica. Assim, Marla Deibler fornece dez dicas cruciais – desde estratégias para gerir o sintoma até mudar a forma como pensa – para que possa lidar com a ansiedade no local de trabalho.

1. Não suprimir a ansiedade
Sufocar os sentimentos é contraproducente. “Todos temos ansiedade”, afirma Marla Deibler. “É uma resposta normal ao stress. Deixe-a emergir. Pratique a aceitação, em vez de a tentar afastar (o que tende a ser inútil, dado que só faz com que se sinta mais oprimido e menos em controlo): abra espaço para a ansiedade. Ela surge para tentar chamar a sua atenção para algo”. A psicóloga diz que, ao deixarmos espaço para alguma ansiedade no trabalho, verificamos que, a longo prazo, esta torna-se menos incómoda.

2. Ser mindful
Há que ter  tempo para nós de vez em quando, praticar o mindfulness – treino baseado na conexão mente-corpo que ajuda a observar a forma como se pensa e sente acerca da vida, das experiências, seja bom ou negativo; consiste em prestar atenção ao momento presente sem ficar apegado ao passado ou se preocupar com o futuro. “Examine a ansiedade com curiosidade quando esta surge, em vez de a rejeitar”, diz Deibler. “No que repara quando aparece? O que pensa e sente?”.

3. Fazer frente à ansiedade
Enfrentar o que nos deixa ansiosos. Se está nervoso por discursar em público, prepare todos os detalhes da apresentação. Se tem receio de falar com os colegas de trabalho, tente iniciar uma conversa. Ou seja, “force-se a entrar em situações que levam à ansiedade, a fim de demonstrar a si mesmo que pode perseverar e ter sucesso, apesar de se sentir ansioso”. Isto porque “expor-se à ansiedade, em vez de a evitar, ajuda a mudar a sua relação com a mesma e a aumentar a sua confiança nessas situações”.

4. Cuidar de nós próprios
Não podemos esquecer-nos de cuidar de nós próprios. “Tenha em atenção os seus sentimentos e práticas de vida saudável: uma boa alimentação, sono em dia e exercício são fatores importantes para o bem-estar, resiliência e uma gestão saudável do stress”, relembra a psicóloga.

5. A nossa mente nem sempre é a melhor conselheira
Por vezes não podemos confiar em nós próprios. “As nossas mentes gostam de estar a contar constantemente histórias, a analisar, julgar, dar conselhos, e criticar”, diz Marla Deibler. “Às vezes são pensamentos extremamente inúteis. Observe o que a sua mente faz. Observe os seus pensamentos. Repare que não são verdades objetivas. A partir desse momento começa a decidir se os pensamentos são dignos da sua atenção”.

6. Fazer uma pausa e dizer à ansiedade para ir dar uma volta
A psicóloga denota que ir alterando o ritmo ou mudar de cenário ao longo do tempo ajuda realmente a gerir a ansiedade. No dia a dia, pode ser algo tão simples como sair um pouco, dar a volta ao quarteirão, respirar fundo, e voltar.

7. Mantermo-nos conectados
Podemos passar melhor pelas situações com uma pequena ajuda dos amigos. “O apoio social é vital para a gestão do stress”. Assim, “mantenha as ligações com a família e os amigos. Conversar com os outros pode fazer um bem tremendo”.

8. Descontrair com exercício
Fazer exercício relaxa o corpo e deixa a mente à vontade. “Respirar pelo diafragma ou outra prática que induza o relaxamento (por exemplo, a meditação mindfulness, exercícios de imaginação orientada, relaxamento muscular progressivo, tai chi, yoga…) pode reduzir o stress ao estimular a resposta de relaxamento”.

9. Esquecer o café
Quando se trata de lidar com a ansiedade, aquele café logo pela manhã é o pior inimigo. “Mantenha o consumo de cafeína ao mínimo, uma vez que esta pode aumentar a sua frequência cardíaca e os sintomas fisiológicos de ansiedade”.

10. Procurar ajuda profissional
Por fim, não temmos de lidar com a ansiedade sozinhos. “Às vezes a ansiedade pode ser difícil de gerir sem ajuda profissional”, diz Marla Deibler. “Um psicólogo clínico que fornece terapia cognitivo-comportamental pode ajudar as pessoas a aprenderem a entender melhor a ansiedade e alterarem a sua relação com os seus pensamentos e sentimentos de ansiedade”. Os colegas de trabalho e os empregadores também têm um papel importante, dado que “podem mostrar-se preocupados com a pessoa, ajudando-a a normalizar a experiência e incentivá-la a procurar ajuda”. 

02-03-2017



Portal da Liderança